Comportamento

Escola do futuro: por que oferecer formação humanizada para crianças?

setembro 13, 2019
Tempo de leitura 9 min

 

A educação passou por um período de estagnação. Por décadas e décadas, o estilo de ensino permaneceu mais ou menos o mesmo, engessado por uma série de fatores históricos e sociais. Recentemente, no entanto, essa realidade começou a mudar, e, hoje, muitas inovações e tendências fazem parte do dia a dia da construção de uma escola do futuro.

A escola do futuro é uma união de fatores que contribuem para que a educação seja mais inclusiva e, claro, humanizada. Aqui, o foco não está apenas na transmissão de conhecimento para os estudantes (ainda que essa seja uma prioridade inegável), mas também no processo de desenvolvimento humano desses indivíduos, trabalhando para que eles se tornem cidadãos muito mais conscientes.

Mas, afinal, o que os educadores podem fazer para que esse tipo de conceito faça parte da realidade dos colégios? Quais são as medidas que podem ser tomadas para que a educação seja cada vez mais humanizada? Continue a leitura e confira algumas dicas e pontos importantes!

O que é a educação humanizada?

Como mencionado no início de nossa conversa, a humanização foi, por muitos anos, deixada de lado no âmbito escolar. O ambiente das salas de aula era muito tradicional e voltado apenas para a transmissão de conteúdos ligados ao currículo.

Essa exclusividade foi, com o tempo, sendo substituída por uma multidisciplinaridade e uma maior preocupação com os aspectos emocionais e humanos dos estudantes. Hoje, sabe-se que, além de conhecer as fórmulas matemáticas e os conceitos gramaticais, o(a) aluno(a) precisa ter inteligência emocional e saber lidar com os próprios sentimentos.

Além disso, a educação humanizada é extremamente importante para o desenvolvimento de capacidades como a empatia, o trabalho em equipe e muitas outras, todas elas fundamentais para o exercício da cidadania e também altamente requisitadas por empregadores no mercado de trabalho do século XXI.

Quais são os benefícios desse conceito na escola do futuro?

Trabalhar a humanização é, em outras palavras, perceber cada estudante como um portador de individualidades, sonhos, preocupações e, claro, humanidade. Essa percepção foi perdida por muito tempo, em períodos nos quais havia um certo distanciamento entre os corpos docente e discente das escolas.

Mudar essa realidade é algo extremamente vantajoso para os alunos e professores, que desenvolvem laços e podem, assim, crescer lado a lado. O aprendizado é uma via de mão dupla e se torna um caminho muito mais divertido e prazeroso quando é trilhado com humanização.

Alguns dos benefícios que podem ser percebidos com uma educação mais humanizada são:

  • melhora do desempenho dos estudantes;
  • maior integração da classe com o colégio;
  • maior engajamento e participação nas aulas;
  • diminuição da evasão escolar;
  • aprimoramento do foco e da concentração;
  • desenvolvimento simultâneo de uma série de habilidades e competências fundamentais;
  • melhora das condições de trabalho dos professores.

Por isso, os pais devem sempre buscar escolas que trabalhem a humanização diariamente em sua proposta pedagógica (e, claro, em seus valores) e que tenham, em sua essência, uma preocupação redobrada com temas ligados ao desenvolvimento emocional de seus estudantes.

Como podemos trabalhar a humanização nas escolas do futuro?

Agora que já vimos alguns dos principais aspectos e vantagens da humanização em uma escola do futuro, que tal conferirmos algumas dicas e maneiras práticas para desenvolver essa questão no dia a dia escolar? Confira a seguir:

Utilizar a tecnologia como aliada

Normalmente vista como uma vilã, a tecnologia é uma inovação que pode e deve ser utilizada pelas escolas do futuro. Quando bem aplicada, ela abre caminhos para a humanização no ensino, pois permite que os educadores falem a língua de seus estudantes, tão constantemente conectados, e os deixem cada vez mais engajados no próprio conhecimento.

Focar o desenvolvimento de inteligência emocional

A nossa sociedade é repleta de pessoas que não sabem lidar com as próprias emoções. Para reverter isso, o desenvolvimento da inteligência emocional é algo indispensável. Que tal, então, começar o quanto antes, não é mesmo? Trabalhar questões ligadas ao emocional dos estudantes é algo indispensável em uma instituição humanizada.

Desenvolver as interações sociais

Outra maneira de trabalhar questões como essa é abrir espaço para interações sociais e para o desenvolvimento do trabalho em equipe entre os estudantes. Debates, casos para solucionar, grupos de estudo e até mesmo peças de teatro podem ser ótimas estratégias para fazer com que os alunos se comuniquem e passem a trabalhar juntos, mesclando a individualidade com o coletivo.

Trabalhar habilidades socioemocionais

Habilidades e competências como a empatia, a criatividade e o pensamento crítico e lógico são fundamentais para a vida e têm, de certo modo, tudo a ver com a humanização. É dever e responsabilidade da escola trabalhar esses quesitos com os seus alunos desde cedo, fazendo com que eles se tornem cidadãos muito mais completos.

Incentivar o protagonismo dos estudantes

Em uma sala de aula tradicional, o estudante está em constante posição de passividade, sem muito espaço para desenvolver a sua autonomia e independência. Outra forma de humanizar o ensino é trabalhar o protagonismo dos alunos, fazendo com que eles compreendam que são, em classe, tão importantes quando o professor. Esse tipo de experiência diferenciada tem tudo para ser um sucesso!

Colocar o professor como guia

Por fim, mudar o papel do professor é um dos desafios da escola do futuro, mas algo muito importante para a humanização. Para tal, é necessário moldar o seu papel em classe, não necessariamente tirando-o da posição de autoridade, mas estabelecendo uma relação de igualdade em relação aos seus estudantes. Nesse cenário, o docente seria um guia do aprendizado dos alunos, caminhando lado a lado com a classe nesse processo.

Como pudemos ver, a construção de uma escola do futuro vai muito além da simples melhora dos métodos de ensino. Ainda que o aprendizado seja sempre uma prioridade, o foco, aqui, também está voltado para o desenvolvimento emocional e social do estudante, preparando-o não só para o mercado de trabalho em termos de qualificação, mas também para a vida como um todo.

A prática de atividades extracurriculares também é uma ótima maneira de desenvolver a humanização nas crianças e nos adolescentes em idade escolar. Confira, então, o nosso artigo sobre a prática de esportes no âmbito escolar, uma importante ferramenta para desenvolver o corpo e a mente!

 

  • maior engajamento e participação nas aulas;

  • diminuição da evasão escolar;

  • melhora do foco e da concentração;

  • desenvolvimento simultâneo de uma série de habilidades e competências fundamentais;

  • melhora das condições de trabalho dos professores.

Por isso, os pais devem sempre buscar escolas que trabalhem a humanização diariamente em sua proposta pedagógica (e, claro, em seus valores) e que tenham, em sua essência, uma preocupação redobrada com temas ligados ao desenvolvimento emocional de seus estudantes.

Como podemos trabalhar a humanização nas escolas do futuro?

Agora que já vimos alguns dos principais aspectos e vantagens da humanização em uma escola do futuro, que tal conferirmos algumas dicas e maneiras práticas para desenvolver essa questão no dia a dia escolar? Confira a seguir:

Utilizar a tecnologia como aliada

Normalmente vista como uma vilã, a tecnologia é uma inovação que pode e deve ser utilizada pelas escolas do futuro. Quando bem aplicada, ela abre caminhos para a humanização no ensino, pois permite que os educadores falem a língua de seus estudantes, tão constantemente conectados, e os deixem cada vez mais engajados no próprio conhecimento.

Focar o desenvolvimento de inteligência emocional

A nossa sociedade é repleta de pessoas que não sabem lidar com as próprias emoções. Para reverter isso, o desenvolvimento da inteligência emocional é algo indispensável. Que tal, então, começar o quanto antes, não é mesmo? Trabalhar questões ligadas ao emocional dos estudantes é algo indispensável em uma instituição humanizada.

Desenvolver as interações sociais

Outra maneira de trabalhar questões como essa é abrir espaço para interações sociais e para o desenvolvimento do trabalho em equipe entre os estudantes. Debates, casos para solucionar, grupos de estudo e até mesmo peças de teatro podem ser ótimas estratégias para fazer com que os alunos se comuniquem e passem a trabalhar juntos, mesclando a individualidade com o coletivo.

Trabalhar habilidades socioemocionais

Habilidades e competências como a empatia, a criatividade e o pensamento crítico e lógico são fundamentais para a vida e têm, de certo modo, tudo a ver com a humanização. É dever e responsabilidade da escola trabalhar esses quesitos com os seus alunos desde cedo, fazendo com que eles se tornem cidadãos muito mais completos.

Incentivar o protagonismo dos estudantes

Em uma sala de aula tradicional, o estudante está em constante posição de passividade, sem muito espaço para desenvolver a sua autonomia e independência. Outra forma de humanizar o ensino é trabalhar o protagonismo dos alunos, fazendo com que eles compreendam que são, em classe, tão importantes quando o professor. Esse tipo de experiência diferenciada tem tudo para ser um sucesso!

Colocar o professor como guia

Por fim, mudar o papel do professor é um dos desafios da escola do futuro, mas algo muito importante para a humanização. Para tal, é necessário moldar o seu papel em classe, não necessariamente tirando-o da posição de autoridade, mas estabelecendo uma relação de igualdade em relação aos seus estudantes. Nesse cenário, o docente seria um guia do aprendizado dos alunos, caminhando lado a lado com a classe nesse processo.

Como pudemos ver, a construção de uma escola do futuro vai muito além da simples melhora dos métodos de ensino. Ainda que o aprendizado seja sempre uma prioridade, o foco, aqui, também está voltado para o desenvolvimento emocional e social do estudante, preparando-o não só para o mercado de trabalho em termos de qualificação, mas também para a vida como um todo.

A prática de atividades extracurriculares também é uma ótima maneira de desenvolver a humanização nas crianças e nos adolescentes em idade escolar. Confira, então, o nosso artigo sobre a prática de esportes no âmbito escolar, uma importante ferramenta para desenvolver o corpo e a mente!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário