Comportamento

Afinal, o que é deficit de atenção? Explicamos para você!

março 23, 2020
o que é deficit de atenção
Tempo de leitura 6 min

Por muito tempo, pessoas que lidavam com situações como a depressão ou a ansiedade foram marginalizadas e sofreram extremos preconceitos por parte da sociedade. Felizmente, nos últimos anos isso tem mudado, porém, para que possamos melhorar ainda mais, a informação é indispensável. Por isso, hoje falaremos sobre o que é deficit de atenção e como ele ocorre.

O deficit de atenção é uma ocorrência que, normalmente, acomete crianças e adolescentes. No entanto, não é incomum observarmos adultos que passaram toda a vida sem o devido direcionamento para lidar com essa situação. Por isso, pais e escolas precisam trabalhar juntos para identificar, sempre que possível, os sinais nos jovens estudantes.

Hoje, portanto, discutiremos as características desse deficit, mostraremos como ele se manifesta, quais são as suas consequências e muito mais. Assim, você se informará sobre o problema e poderá lidar com a situação de uma forma natural. Boa leitura!

O que é deficit de atenção?

O deficit de atenção é um problema categorizado como um distúrbio, ou seja, uma leve perturbação no funcionamento regular da mente. Ele não é uma doença e, portanto, não oferece riscos para a saúde do paciente que convive com a situação. Além disso, é perfeitamente possível conviver com o deficit.

Como dissemos, normalmente atinge crianças e adolescentes, mas adultos e até mesmo idosos também podem ser diagnosticados com esse distúrbio. Assim como os jovens, também podem se tratar e conviver bem com o diagnóstico.

Quais são as formas de manifestação do deficit?

O deficit de atenção se manifesta de duas maneiras: a primeira é chamada de DDA, ou Distúrbio do Deficit de Atenção. A segunda, por sua vez, recebe a sigla de TDAH, que significa Transtorno de Deficit de Atenção e Hiperatividade.

A diferença entre as duas manifestações é a presença de uma questão bem particular: a hiperatividade. Os pacientes com TDAH apresentam uma agitação e inquietação bem características, enquanto isso não ocorre naqueles que apresentam apenas o DDA.

Quais são os sintomas mais comuns?

A chave para um diagnóstico precoce e para um atendimento realmente eficiente para os portadores do deficit de atenção é a participação daqueles que estão ao seu redor, já que muitas vezes as crianças que lidam com essa situação não conseguem perceber que há algo de errado.

Por isso, agora veremos alguns dos sintomas mais clássicos do deficit de atenção. Dessa maneira, será mais fácil identificar a possibilidade de seu(sua) filho(a) conviver com esse distúrbio. Confira:

Dificuldade em escutar os outros

Um dos principais sintomas do deficit de atenção é, sem dúvidas, a dificuldade apresentada em escutar o que as outras pessoas dizem. Esse sinal é comumente confundido com displicência ou desinteresse, mas, na verdade, o paciente com o deficit tem uma grande dificuldade para focar em um único assunto e prestar a devida atenção no que é falado.

Dificuldade para concluir tarefas

A dificuldade em manter o foco e a concentração afeta também a produtividade dessas pessoas. Indivíduos com deficit de atenção, portanto, terão mais dificuldade em terminar tarefas aparentemente simples, como uma lição de casa ou até mesmo assistir a um filme por completo sem se distrair.

Inquietação

A inquietação é um sintoma bastante claro do deficit de atenção na versão TDAH. Aqui, os pacientes têm, literalmente, uma dificuldade de parar quietos. Estão sempre em movimento, o que também prejudica a sua concentração, gerando uma bola de neve. Esse aspecto é especialmente prejudicial quando falamos do desempenho escolar, afetando até mesmo a memorização.

Tédio

O tédio é outro sintoma bastante recorrente nesses pacientes. Por estarem sempre com a mente “a mil”, acham difícil se concentrar em uma única coisa e ficam desinteressados muito facilmente pelas atividades que se propõem a fazer. Gradualmente, esse aspecto vai gerando um tédio quase crônico, que intensifica a busca por atividades interessantes e aumenta a desatenção.

Como é feito o tratamento do deficit de atenção?

Apesar de não ser uma doença, o deficit de atenção é uma questão que precisa ser devidamente tratada. O distúrbio, embora não apresente nenhum risco para a saúde dos pacientes, pode afetar o desempenho escolar, acadêmico e profissional, além de causar problemas também na vida pessoal desses indivíduos.

Sendo assim, algumas abordagens são utilizadas para ajudar os pacientes a levar uma vida normal e sem limitações. Elas são:

  • uso de medicamentos;
  • psicoterapia;
  • uso de terapias complementares, como a acupuntura;
  • prática de atividades físicas.

Esses cuidados são fundamentais para que os pacientes possam conviver bem com o deficit. Pessoas que passam pelos tratamentos certos conseguem ter mais foco, atenção e, consequentemente, um desempenho muito melhor em todos os âmbitos de sua vida.

A indicação para cada caso é personalizada, por isso apenas médicos, psicólogos e outros profissionais da saúde podem direcionar o tratamento.

Qual é o papel dos pais e da escola nesse contexto?

No início de nossa conversa, falamos sobre a marginalização sofrida por pacientes que sofrem com distúrbios e transtornos ligados à mente. Por muitos anos, esses problemas foram vistos como “frescura” e não eram reconhecidos como ocorrências que precisam de um tratamento médico.

Sendo assim, o papel da escola é não apenas instruir os estudantes sobre esses distúrbios, mas também prestar todo o apoio necessário e garantir a inclusão e a infraestrutura necessárias para atender aos alunos que apresentam essa dificuldade. A família, por sua vez, precisa estar presente e fornecer o auxílio que seus filhos precisam de acordo com as recomendações médicas e escolares.

Agora que você já sabe o que é deficit de atenção e é capaz de identificar os seus principais sinais, não perca tempo: caso note algum sintoma em seu(sua) filho(a), comunique imediatamente a escola e comece, o quanto antes, o tratamento ideal para ajudá-lo(a) a lidar com essa situação. Assim, ele(a) poderá levar uma vida completamente normal e muito feliz!

Para conferir outras postagens como essa e não perder nenhuma novidade, que tal nos seguir em nossas redes sociais? Você pode nos encontrar no Facebook e também checar nossas fotos e vídeos pelo Instagram, pelo YouTube e pelo Flickr!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário