tecnologia na educação infantil

Tecnologia na educação infantil: qual a importância e como impor limites?

Cada vez mais vemos os alunos utilizando tecnologias no dia a dia educacional. E isso ganhou um fôlego ainda maior durante a pandemia. Bom, você, como responsável, prepare-se: esse é um caminho sem volta. Afinal, a transformação digital está aí. As tecnologias estão em todos os lugares e precisam fazer parte do futuro em todas as áreas, incluindo na educação.

Ao mesmo tempo, isso não significa que os pais não possam colocar limites no uso para as crianças. Muito pelo contrário, isso é necessário sim! Mas como fica essa dinâmica entre utilizar a tecnologia na educação infantil e impor limites?

Para ajudar você nisso, vamos mostrar os benefícios de seu uso para o aprendizado e, no final, daremos algumas dicas importantes para impor limites e proteger o bem-estar e a saúde física e mental dos seus filhos. Boa leitura e tire suas dúvidas!

Torna as aulas mais dinâmicas

O modelo de sala de aula no qual o professor passa todo o período falando e os alunos apenas escutando não faz mais sentido nos tempos atuais. Com as tecnologias cada vez mais presentes no nosso dia a dia, as crianças estão habituadas a serem ativas e, portanto, esse modelo desmotiva elas.

Quando utilizamos as tecnologias no dia a dia da escola, podemos criar ambientes educacionais mais dinâmicos. Assim, os alunos podem interagir com o que estão aprendendo e, assim, conseguir uma melhor apreensão dos conteúdos e a melhora do engajamento.

Por exemplo, se eles puderem jogar um game que mostre as dinâmicas existentes em reações químicas, poderá compreender melhor como elas funcionam na prática, algo que ficaria muito abstrato no ensino tradicional. Isso gera maior engajamento no dia a dia e permite potencializar resultados.

Prepara as crianças para o futuro

O futuro é tecnológico. Sabemos que cada vez mais temos a necessidade de trabalhar com tecnologias, e a tendência é que isso continue sendo cada vez mais alavancado. Inclusive, trabalhar potencializando tecnologias será também uma das grandes possibilidades nos próximos anos.

Quando seus filhos já começam desde pequenos a lidarem com as tecnologias, isso se torna natural para eles e diminui as dificuldades. Pense, por exemplo, na dificuldade que muitos adultos têm hoje de aprender linguagens de programação, robótica, como proporcionar impressão 3D, entre outros pontos.

Se você tivesse aprendido isso desde criança, teria maior facilidade, não é mesmo? Por isso, o contato com as tecnologias no ambiente educacional permite prepará-los para o futuro. Isso será importante, principalmente, para entrarem no mercado de trabalho e terem mais sucesso.

Estimula a aprendizagem

Quando bem utilizadas para o processo educacional, as tecnologias são aliadas importantes para uma aprendizagem mais completa e complexa, para múltiplas competências. Por exemplo, um aluno pode estudar sobre reino vegetal lendo um livro digital sobre o assunto, ouvindo um podcast, assistindo a um vídeo ou, ainda, jogando um game interativo em uma trilha do conhecimento, que teste o que aprendeu sobre o tema.

Com isso, os alunos ficam mais engajados no dia a dia e, assim, tendem a ter uma maior absorção do aprendizado. Além, é claro, de mantê-los engajados e interessados nos processos de aprendizagem. Bacana, não é mesmo?

Aumenta a criatividade

A tecnologia, aliada com a cultura maker, auxilia a desenvolver a criatividade das crianças. Por meio disso, é possível incentivá-las a encontrar formas diferentes de solucionar problemas antigos e, assim, estimulá-las a novas soluções e situações.

Com isso, elas são incentivadas desde cedo a ter uma visão mais criativa, curiosa, aguçada e que está sempre em busca de “sair da caixinha”. Essa, inclusive, é outra característica que será muito importante nos próximos anos. Assim, você preparará seus filhos para se tornarem profissionais que atenderão as demandas do mercado no futuro.

Melhora a autonomia

Outro ponto importante é que as tecnologias permitem trazer métodos de ensino que serão fundamentais para proporcionar mais autonomia para os alunos. Afinal, com a chegada da Educação 5.0 despontando, temos uma verdadeira revolução.

Aquele modelo de sala de aula no qual o aluno absorve tudo do professor e tem uma postura passiva diante do conhecimento não faz mais sentido com todas as possibilidades tecnológicas que temos. Hoje podemos proporcionar mais autonomia para os alunos. Os professores, assim, assumem um papel de tutores no processo de ensino e auxiliam na condução do conhecimento.

Contudo, apesar de todos os benefícios das tecnologias, não podemos caminhar para extremos. Caso contrário, ela pode passar de aliada para um problema. Por isso, os pais também precisam saber como limitar o uso no dia a dia.

Afinal, sabemos que o uso das telas é tentador. Nós mesmos estamos diante delas constantemente. Contudo, o cérebro de crianças e jovens ainda está em formação e, portanto, contato excessivo pode causar danos. Além disso, confira outros danos à saúde que eles podem ter:

  • dores musculares;
  • dores articulares;
  • problemas posturais;
  • dores de cabeça;
  • alterações visuais;
  • alterações emocionais;
  • dificuldade de convívio com outras crianças;
  • insônia;
  • ansiedade.

Além disso, podemos encontrar traços, inclusive, de dependência excessiva de tablets, sedentarismo e tendências ao isolamento. Por isso é tão importante estabelecer limites no uso de tecnologias, para que elas sejam apenas boas aliadas. Algumas dicas para isso são:

  • evite que crianças menores de 4 anos tenham seus próprios dispositivos;
  • crianças devem utilizar os dispositivos eletrônicos sempre acompanhadas dos pais;
  • fique atento para moderar o conteúdo para a criança;
  • estabeleça metas e tempo de uso. Faça com que a criança esteja ciente das regras estabelecidas;
  • crie rotinas de estudo, para que as crianças saibam a hora de começar e de terminar;
  • crie momentos “fora das telas” com as crianças: sessões de cinema em casa, viagens, almoçar fora, brincar com outras crianças, entre outros;
  • incentive práticas de atividades físicas e outras atividades extracurriculares que não as deixem em contato com dispositivos eletrônicos.

A tecnologia na educação infantil tem um papel fundamental para que seja possível garantir um ensino mais interessante, atrativo e que gere maior engajamento para o processo de aprendizagem. Com os limites corretos, ela pode ser uma grande aliada!

E você, tem alguma dúvida de como realizar esse processo de colocar limites no uso de tecnologia pelos pequenos? Deixe nos comentários e vamos ajudar você nisso.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.